sábado, 25 de octubre de 2008

Mayola y Bobre ,una aculturación Indo-Africana

Daniel Hoareau, Danyèl Waro est un musicien de l'île de La Réunion:
"Maloya no sólo es un ritmo Cafre. En realidad, no es eso. Mestiza de música desde el principio como hicieron los diferentes esclavos . En mi forma de cantar, hay un malabar (India), Cafre (africano) y otros. Lo mismo ocurre con los instrumentos. Esta gran combinación entre nosotros es nuestra riqueza. En nuestros palacios, hay un sabor de massala, el chop-suey, siriani de ..."[ 1]
1) Propos recueillis par Franck Tenaille, Mondomix n°6 Hiver 2003/04, p 20 .
FOTO:Músico Firmin Viry
ORIGINE DU MALOYA:
C’est au 17° siècle qu’est apparue le maloya. Une musique née dans les champs de canne à sucre, forcément marqué par les coups de fouets, la maltraitance et par ce sentiment propagé par les colons d’infériorité voir pire… Le maloya serait d’origine de Madagascar du Mozambique et de Zanzibar. En 1665, ce sont les français qui déjà installés à Madagascar colonise les premiers l’île de la réunion, ils introduisent des esclaves malgaches. En 1675, ce sont des prisonniers indiens de San thomé qui sont amenés à la réunion puis des éthiopiens.
De 1717 à 1817 près de 80 000 esclaves sont introduits dans l’île par la compagnie des Indes et les colons.
ainsi les descandants d'esclaves malgaches, africains, de l'Inde ainsi que des colons pauvres se fondent en une unité dans le créole. En 1750, on utilisé plutôt les termes de"t'shéga", "Tchéga", "Tsiega" pour désigner le maloya. théga qui est devenue "Séga", un mot d’origine swahili du mozambicaine. séga : remonter ses habits, terme en rapports aux danses bantoues (ou l’on remonte ses habits).
La danse qui accompagne le Maloya est d’origine Bantoue. Le maloya est présent dans tout l’océan indien, mais on l’appelle séga tambour à Rodriguez, séga ravane a Maurice et Moutia aux seychelles car il est issue du séga primitif.
LES MUSICIENS DU MALOYA : Le maloya qui a toujours été mal vue par les colons a été relancé par le parti communiste en 1930. En effet ils aident et encouragent Firmin Viry à enregistrer. Celui ci produit alors deux albums. Firmin Viry, mais aussi Granmoun lélé sont les pionniers du maloya, ils en privilégie le coté traditionnel, ainsi que Danyèl Waro, nathalie natiembé , Alain Peters et Davy Sicard qui sont parmi les fervents défenseurs du maloya et qui en même temps le renouvelle. On peut aussi citer, Lo rwa kaf, Zelindor, Bourbon maloya, Leilla Negrau, Ravan' ... Danyèl Waro, "maloya improvisé": Alors que des groupes comme Baster et Ziskakan, Ti Sours ou rené lacaille se tournent vers un maloya soit plus festif soit plus rock, avec des accents électriques. Et Patrick Persée, plus reggae-seggae, tout comme Kom Zot.
"Maloya la pa nou la fé,Granmoun lontan la fé maloya!! mi di a zot larg'pa maloya sa mizik nout zancet, nout léritaz marmaye!!" Service kabaré : Selon la tradition on pratique le maloya dans le service kabaré. C’est une cérémonie animiste qui rend hommage aux ancêtres Les familles se réunissent une fois par an et font des sacrifices (souvent de coqs) afin de remercier les ancêtres pour leur protection. Les musiciens rentrent en contact avec les ancêtres et avec les esprits. Le maloya dans le « fénoir » : Le maloya a été interdit, notamment à partir de 1950 par les administrations de la France. Les musiciens connaissent des pressions allant jusqu’à l’arrestation. Les autorités préfèrent une musique plus festive, que le maloya qui dit la vérité et fais peur à ceux qui ont le pouvoir, maloya est subversif et rebelle.
le 20 décembre :
C'est une date importante et férié pour l'île de la Réunion puisque c'est la fête de l'abolition de l'esclavage. La Révolution française a abolit l’esclavage en 1794, mais les esclaves de la Réunion ne furent libérés que lors de la révolution de 1848. le 13 octobre 1848 l’île Bourbon est renommée île de la Réunion, l’abolition de l'esclavage a lieu 7 jours après : le 20 décembre 1848. Ce jour ou quelques 62 000 esclaves ont été libérés.
Les instruments : Les instruments utilisés dans le maloya sont des percussions venant des pays d’Afrique d’ou étaient originaires les esclaves. Ce qui donne une base rythmique prononcée au maloya. (Rythme ternaire) Ce sont : Le Piqueur, le Triangle, le Bobre, le Roulèr, et le Kayamb.
firmin viry, "danser maloya" :

Artes Marciales de Madagascar

RECORTES LIBRO: Revue historique de l'océan Indien Escrito por Association historique internationale de l'Océan indien, Indian Ocean :http://books.google.es/books?id=CE96AAAAMAAJ&pgis=1


Traditional Black Martial Arts of the African - Indian Ocean are still alive and well. Among the best-known of these arts one finds:
Moringue (Reunion) / Morengy (Madagascar) / Mrengé (Comoros) - a form of traditional boxing accompanied by music and song which is practiced by Creoles, Malagasy, and Comorians alike. This sport (of prseumed mainland African origin) is essentially a spectacular form of bare-knuckle boxing, though in some areas, both kicking and head-butting is permitted.
Ringa - a form of traditional wrestling practiced by Malagasy farmers and herders. It is perhaps the safest of the combat games, though in some cases serious injury results. This is particularly true when a wrestler is lifted high in the air and slammed head first to the ground. Unlike American wrestling, one does not need to pin an opponent to win. If an adversary's shoulder or heads touches the ground, he is considered defeated. In Toamasina (eastern Madagascar), toho-body - a form of wrestling which one competitor begins the fight standing with his back facing his opponent - is practiced .
Savika - a form of ceremonial Zebu bull wrestling practiced by the Betsileo youths of Madagascar. This sport requires a youth to grab the hump of an enraged bull and cling to the bucking creature for a specified length of time. Savika is typically practiced during the famadihana ritual where the bones of deceased relatives are dug from the ground and wrapped in new linen before being buried again.
Malaso -The ceremonial thieving of cattle, a "sport" which incorporates many of the elements associated with combat sports including ritual, use of the magic, songs, combat, dance, and daring.
Hele - a spectacular water sport in which naked or scantily clad youths leap off rocky crags into a turbulent ocean where they are carried by powerful waves either back to the very crag from which they jumped or into another crag.
Mixed Genres - are Asian Martial Arts grafted on Traditional Games from Madagascar (such as daka, diamanga, ringa, and morengy) to produce new and powerful hybrid forms. This is somewhat similar to what Mestre Bimba and Mestre Sena did to Capoeira de Angola to produce Capoeira Regional and Capoeira Estilizado, respectively.


Artes de Nigeria

Some ancient "combat traditions" in Northern Nigeria (as is the case in the African Indian Ocean) are alive and well. A brief summary of some of the most important survivals includes:
Dambe - a form of traditional boxing practiced by members of the butchers' guild and increasingly by local toughs who are not members of this guild. In dambe only one hand is "gloved" (i.e. bound in cloth for striking purposes), the other hand being used to ward off blows. Kicking and butting with the head are also permitted (see 7 photos in gallery).
Farauta - hunting expeditions in which one group snatches prey from another, In bishi ( a specially convened gathering of hunters) the combatants - armed with knives, bows and arrows, maces, clubs, and other sundry weapons - shout their taunts and praises and engage in mock (sometimes real) confrontations. Feats of magic, such as the materialization of arrows from the thin air, are said to occur at such gatherings (see 2 photos in gallery).
Kokawa - a form of traditional wrestling practiced mostly by farmers. This is perhaps the safest of the combat games (though in some cases serious injury results particularly when a wrestler is lifted high into the air and slammed to the ground at the foot of a spectator). Unlike American wrestling, one does not need to pin an opponent to win. If an adversary's hand or body touches the ground, he is considered defeated. In Sokoto, there existed (in 1984) the survival of a harsher form of wrestling in which adversaries were equipped with ringlets that could slash the back of an adversary when grabbed (see photo gallery).
Shanci - a spectacular and often bloody contest performed exclusively by the Maguzawa Hausa in which gallantly arrayed adversaries armed with razor sharp iron bracelets engaged in pitched combat (see 2 photos in gallery).
Sharo or Shadi - a Fulani manhood contest involving mutual flogging with a long flexible stick or a short hard one. Those who cry out in pain are disgraced and are not considered worthy of marriage (see 4 photos in gallery).
Tauri - a large gathering of "tough skins" ( 'yan tauri ) who (due to their use of traditional medicines) are held to be impervious to being cut by metals. They shout their praises and taunts while demonstrating their invulnerability by drawing swords or knives across various parts of the body including the tongue. If conducted in a remote area, these gatherings (commonly called gangi ) produce confrontations in which serious injury and/or loss of life is likely to occur (See photo in gallery).
Other Contests - include minor combat games such as faka (back butting), kwambe (foot boxing), wowwo (communal mock war raids ) , wasan sanda (Fulani stick fighting), as well as those games of courage which do not pit man against man, but rather against the forces of nature such as: wasan wuta (testing invulnerability to burning), hawan kaho (riding the horns of a bull), wasan kura (dangerous play with hyenas), wasan mahaukata (self flagellation with swords), wasan macizai (snake dodging), and wasan kunama (permitting poisonous scorpions to roam over one's skin).
http://blacfoundation.org/gallery.html

http://blacfoundation.org/nigeriagallery/index.html

Siddis ,mendicantes musico-religiosos




















Una leyenda cuenta que los SIDIS de de Gujarat -India vinieron de Kano en el norte de Nigeria, y terminaron en la India después de llevar a cabo una peregrinación Hajj a la Meca.


"¿Cómo los Sidi mezclan Música y Religión: África y la India Sufi, Malunga ,bendición Sidi Salim, Basti Mendicantes .El uso de la música religiosa en la mendicidad goza de una larga tradición en todo el sur de Asia entre las diversas comunidades religiosas, lo que resulta en un vasto repertorio de la poesía cantada y compuesta por santos y místicos seguidores. Algunos Sidi afro-indios de Gujarat, descendientes de los viajeros del Océano Índico de África, han adoptado este medio de transmitir las enseñanzas espirituales islámicas. Cantan a su propia comunidad,y a otros musulmanes, y personas ajenas a la limosna, buscado al mismo tiempo en los espacios públicos, religiosos Sidi mendicantes ofrecen presentaciones musicales de diversos tipos de poesía sagrada. El SIDIS del siglo 21 ronda la mendicidad y extende en toda la India, así como por todo el mundo; por sus giras internacionales puede ser visto como una extensión de la mendicidad religiosa.


http://www.apsara-media.com




Siddis de Gajarat-Gujarat -India,tocadores de Malunga(Berimbao)


En esta pesquisa ,haciendo el seguimiento de los Siddis de Gujarat(Gajarat) -India,de creencia "sufí" , oriundos de Africa y tocadores de Malunga (Berimbau). Una leyenda cuenta que la SIDIS de los ecosistemas de Gujarat originalmente vinieron de Kano en el norte de Nigeria, y terminaron en la India después de llevar a cabo una peregrinación Hajj a la Meca. dentificamos que en la genealogóa de Alhá,Dios Arabe ó Islámico aparece en Gujarat(Gajarat) -India en al año 1589 C.E. uno de sus discípulos.Esta información nos puede indicar la época en que los Siddis se establecieron en India.


Bodhan
Mohammad
(Gongooh
Shaikh
Abdulahad
Ahmad
Shaikh

Abdullah Shattari
(1485 C.E.)

Alaeddin Shattari

Abulfat-h Sarmast
(Hajipur – 1539 C.E.)

Haaj Hozoor

Mohammad Ghouth
(1562 C.E.)

Vajheddin Gajarati
(Gajarat – 1589 C.E.)

ACLARACIÓN: gujaratis de Madagascar originalmente provienen del estado de Gujarat en el noroeste de la India.http://www.ikuska.com/Africa/Etnologia/Pueblos/Asiaticos/index.htm

Nota:Aláh, Allah, A-Lah, Aliha, Alay

sustantivo
Nombre del Dios Árabe o Islámico.
Etimología:
De una antigua raíz semita primitiva alah desarrollándose en el Árabe a Aláh, Aliha, Alay. Pensado como el equivalente del Dios Hebreo Elohim. Traducido por algunos como El-yah (el dios que asciende, el dios que es poderoso). El nombre Aláh nunca fue usado en el Antiguo Testamento como un nombre para Dios. El dios Aláh era adorado entre el panteón de deidades paganas en Arabia. Su nombre aparece en el nombre del padre de Mahoma "Abdulah," con "lah" como una abreviación de Aláh, las últimas tres letras. http://hechos238.net/html/alah.html

viernes, 24 de octubre de 2008

Kubu Durian Pisau Demonstration (Pencak Silat)


Video: "A malicia tambeim no Oriente "

Isla de Mozambique ,tradición y modernidad musical


Location : MozambiqueMusic Crossroads : Participant
First Participation: 2008
Music styles: Traditional
Music styles: Afrofusion



Marove fue fundada en octubre de 2006 por jóvenes músicos del Proyecto Muciro en Nampula, con el objetivo de lograr un nuevo sonido en la escena musical local. La banda es sólo una de las extensiones de la gran familia del Proyecto Muciro. Ahora, con ocho miembros y la visión de hacer una fusión tradicional de Tufo ( bailar al ritmo de la Makua ,grupo étnico) y otros de música tradicional y los estilos de la danza de la costa, especialmente a partir de la Ilha de Moçambique.


Moravam na ilha reinóis, goeses, gentios, mouros, cafres e hindus. De religião bramânica, os hindus, na maioria, falavam o guzerate, mas a sua língua religiosa era o sânscrito. Existiam também os cojás, de raça indiana, que haviam chegado de Guzerate e Catiavar. Os cojás, naquele tempo, não seriam mais de cinquenta pessoas, todos oriundos da ĺndia, islamitas que adorava o Agá Can, 48º descendente de Maomé. Vinham sempre sem família. A ilha tinha também o seu bairro formado só por cafres. Mais de mil naturais viviam em tembas(20) quadradas cobertas por colmos. Os negros não tinham bom aspecto nem eram asseados. Eram quase todos do grupo linguistíco banto do ramo benue-congo da família niger-kordofaniana. Os cafres eram vários povos, alguns com influência árabe - os manjougas, por exemplo, tinham sangue malaio-malgaxe, mas existiam outros cafres africanos puros, como os macuas e os angicos(21). Viviam de vender tabaco, pão, condimentos e outros artigos. Tinham uma maneira curiosa de cumprimentar os muzungos(22). Em vez de erguer a mão e falar, paravam e arrastavam os pés para trás(23).

Isla,Trançe e liminaridade

Com efeito, a palavra "faquir", que tem sua origem no árabe, significa literalmente "pobre". No entanto, é necessário um esforço interpretativo mais amplo para que seja restituído a seu contexto cosmológico original o que aparece como uma mera referência etimológica cristalizada. Recorremos ao Dictionnaire Encyclopedique de L'Islam. Ao concluir o item correspondente ao termo sufismo, encontramos o seguinte parágrafo:
[...] uma forma de devoção popular sufista encontra consolo, antes de tudo, nos fenômenos psíquicos, na comunicação com os espíritos, nos gênios, no transe atingido graças à dança, à magia, aos prodígios como a mastigação de vidro, a perfuração dos corpos com a ajuda de facas e assim por diante. Nos poderes do psiquismo e nos estados mentais que se apresentam além da normalidade, encontram-se as provas de uma realização espiritual. Esse fenômeno é a origem do uso da palavra faquir pelos europeus [...] o destino dessa palavra ultrapassou o vocabulário ocidental e terminou por se impor igualmente sobre as sociedades islâmicas. (Glassé, 1991, p. 379)


Sipais(Cipaios) e soldados brasileiros em Moçambique

Nota : En las dos citas siguientes observamos que soldasos de Brasil(aún colonia) conviven en Mozambique con los Sipais(Cipaios) que allí se encontraban procedentes de de Goa y en la segunda cita ya encontramos a soldados paulistas como capoeiras.Debemos vuscar esta relación para entender la corporaleidad oriental de la Capoeira Regional.

-Moçambique:Em 1760, a guarnição foi elevada para 10 companhias e no ano seguinte para 11.Os soldados chegavam principalmente de Portugal, de Goa e, na segunda metade da centúria, do Brasil, na sua maioria, como degredados1
-Sao Paulo: Em março de 1892 houve um confronto entre os “morcegos” (praças da polícia fardada) e soldados do exército paulista que eram capoeiras, ocasionando distúrbios na cidade de São Paulo2.
---2) Ver: http://www.institutocariocadecapoeira.hpg.ig.com.br/historico.htm acessado em 31/01/2004. http://www.portalcapoeira.com/index2.php?option=com_content&do_pdf=1&id=1117
---1) http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/historia/article/viewFile/7945/5594

Batuque antiguo ,Kalaraipayatu y Moringue Reunionés ,tienen relación?


NOTA: En el antiguo batuque, se golpeaban el pecho los danzarines.Fotos: Moringue reunionés y Kalaripayatu.



Brasil,SigloXVIII-O batuque tipicamente africano foi caindo em desuso com o desaparecimento dos nativos daquele continente. Uma variação abrasileirada espalhou-se por todo o País, já com a denominação de samba. E, na zona rural, o encontro de culturas deu origem a uma derivação pitoresca, os chamados sambas sertanejos, em que homens e mulheres participavam da roda cantando em coro, ao som de instrumentos de percussão e da viola de arame.
Segundo um cronista da época, “os dançadores formam roda e, ao compasso de uma viola, move-se o dançador do centro, avança e bate com a barriga de outro da roda, uma pessoa de outro sexo. Não se pode imaginar uma dança mais lasciva do que esta, razão por que tem muitos inimigos, principalmente entre os padres”.

1828,Revuelta entre mercenarios y soldados capoeiras.

Brasil-1828 O Governo convoca a Capoeira: "À 9 de julho de 1828, o segundo batalhão de granadeiros alemães revoltou-se, protestando contra o espancamento de um de seus soldados. D. Pedro I prometeu atendê-los no prazo de oito dias, mas no dia seguinte o batalhão de irlandeses insubordinou-se e poucos depois o dos granadeiros alemães. E os mercenários iniciaram o saque na cidade. A população teve de correr para a rua, a fim de defender a sua propriedade. Vidigal congrega os capoeiras e os comanda no ataque à soldadesca desenfreada; consegue assim que os soldados retornem ao quartel onde tinham refúgio certo e poderiam ficar resguardados das cabeças, taponas, pontapés, rabos de arraia e navalhadas" (ver Marinho referenciado em 1945, p. 21 do livro original).
http://www.portalcapoeira.com/Publicacoes-e-Artigos/Andre-Luiz-Lace-Lopes-ATLAS-Capoeiragem
La revuelta de granaderos alemanes y el batallón de irlandeses fué sofocada con ayuda de marineros franceses e ingleses que tenían sus navíos en el puerto.
http://www.fernandodannemann.recantodasletras.com.br/visualizar.php?idt=205114

Angola ,Antigua zona del Congo

GRABADO: Fête funéraire dans tous les états nègres au sud du Couango. [African Congo funeral]. 1832
Diaz de la Peña, Narcisse Virgile (1807-1876) - Lithographer
Douville, Jean-Baptiste (1794-1837) - Engelmann, G. (Godefroy) (1788-1839) - Lithographer.
http://www.inmotionaame.org/gallery/detail.cfm;jsessionid=f8302989351240624606593?migration=&topic=&id=597156&type=image&metadata=show&page=&bhcp=1






Los habitantes originales de la actual Angola fueron cazadores y recolectores y hablaban la lengua koisan. La expansión de los pueblos bantú, en el primer milenio d.C., les hizo perder predominio en la zona. En grupos reducidos, los koisan –bosquimanos para los europeos– aún habitan algunas zonas del sur del país.
Los bantú eran un pueblo de agricultores, recolectores y cazadores que es probable comenzaran sus migraciones desde la selva húmeda, en lo que hoy es la frontera entre Nigeria y Camerún. Su expansión se dio en grupos pequeños, que se reubicaron en respuesta a circunstancias políticas o económicas. A través de los siglos XIV y XVII, establecieron una serie de reinos, siendo el de Congo el principal. Éste comprendió la franja que en la actualidad es frontera entre Angola y R.D. Congo y su apogeo se dio durante los siglos XIII y XIV.
En 1482 a la desembocadura del río Congo llegó una flota portuguesa, comandada por Diogo Cao. Ese fue el primer contacto con los angoleños –integrados al antiguo reino de Congo– y el comienzo del proceso colonizador. El mismo utilizó primero las misiones evangelizadoras, el comercio más tarde, y luego expediciones militares en contra de los pueblos que habitaban el interior del territorio.
Los reinos de la región se opusieron tenazmente a la ocupación extranjera, hasta el siglo XVIII. Las guerras y la esclavitud redujeron la población de 18 millones en 1450, a ocho millones en 1850. A pesar de esto, los angoleños nunca dejaron de oponerse a la colonización portuguesa. En la resistencia destacaron figuras como Ngola Kiluange, Nzinga Mbandi, Ngola Kanini, Mandume, entre otras.

Kalungas en Goias ,el quilombo perdido


As festas santas dos Kalungas são repletas de rituais cerimoniosos, como a Festa do Império e o Levantamento do Mastro, que têm coreografia complexa e atraem centenas de visitantes. As festas da sede também são muitas e carregadas de tradição: a Caçada da Rainha, a Festa do Divino, A Folia de Reis, a caminhada da Sexta-feira Santa ao topo do Morro da Cruz e o nosso Carnaval de rua, famoso na região.

Establecimiento de los Holandeses en Sudáfrica









Publicada en : 2006-10-20 en la categoria: Miscelanea
Si bien los holandeses se veían obligados a comerciar con los Khoikhois, la relación no era amistosa. Los holandeses recurrieron a traer agricultores de Holanda quienes cultivaban la tierra y surtían a la Compañía con sus productos.
Esto resultó muy exitoso, produciendo abudantes cantidades de frutas, vegetales, trigo y vino. Posteriormente también comenzaron a criar ganado.
La mayoría de los agricultores eran holandeses y miembros de la Inglesia Reformista Calvinista de Holanda, pero también había numerosos alemanes.
En 1688, a los holandeses y alemanes, se les unieron los huguenotes franceses, también Calvinistas, que huían de la persecución del rey Luis XIV.
En adición al establecimiento del exitoso sistema agrícola, los holandeses comenzaron a traer esclavos principalmente de Madagascar y de Indonesia.
Algunos de estos esclavos se mezclaron con los europeos y su descendencia fue lo que se llamó Colorados del Cabo o Colorados Malayos.

Presencia china en Brasil

imagen:
Nessa escultura em barro feita em São Paulo em começos do séc. XVIII, São Bento assume a aparência de um monge chinês ( Mosteiro de São Bento, São Paulo)
Imagens do Livro de José Roberto Teixeira Leite A China no Brasil • Influências, marcas, ecos e sobrevivências chinesas na sociedade e na arte brasileira Editora da Unicamp, que gentilmente autorizou a disponibilização destas imagens neste site

http://www.fundaj.gov.br/china/china03.html
A CHINA NO BRASIL José Roberto Teixeira Leite.

Fonte: LEITE, José Roberto Teixeira. Introdução: A China no Brasil. In: ______. A China no Brasil: influências, marcas, ecos e sobrevivências chinesas na sociedade e na arte brasileiras. Campinas, SP: Ed. da Unicamp, 1999. p. 9-24

.....................Até as igrejas acusavam às vezes uma inconfundível presença chinesa: nos olhos amendoados de algum São Francisco ou São Bento, na confuciana serenidade de certos Cristos, na atitude e na postura impassíveis de certas imagens em marfim da Virgem com o Menino ou de Nossa Senhora do Rosário -Maria sempre tão parecida com a Guanyin budista, também ela Mãe da Misericórdia e Refúgio dos Aflitos...-, na forma e no corte de determinados altares, enfim nos leões funerários do Embu ou nos cães de Fo que estranhamente montam guarda junto à cruz, nos adros franciscanos de Recife e João Pessoa, Buda a se insinuar, sorrateiro, na própria casa de Cristo.
Admitido, porém; esse impacto sobre o Brasil de formas chinesas de pensar, viver, conviver, agir ou sentir, resta demonstrar de que maneira chegaram até nós e em que circunstâncias aqui se desenvolveram.

.....................São inúmeros os exemplos de funcionários da alta administração colonial lusitana que antes de virem para o Brasil exerceram cargos na Índia, na China, Molucas, Timor e em outras paragens longínquas da Ásia Portuguesa. Assim é que vários dentre os donatários das Capitanias Hereditárias instituídas no começo da colonização, bem como seus capitães e lugares-tenentes, tinham-se lá destacado por bons serviços prestados à Coroa (serviços, aliás, de que as capitanias constituíam a recompensa), podendo ser mencionados entre eles Martim Afonso de Souza e Brás Cubas (que nos trouxe da China o monjolo), Vasco Fernandes Coutinho e Jorge Menezes seu locotenente a quem, narra Vicente do Salvador, "logo os gentios fizeram tão crua guerra que lhe queimaram os engenhos e fazendas e a ele lhe mataram a frechadas, sem lhe valer ter sido tão grande capitão e que na Índia, Maluco e outras partes tinha feito muita cavalaria";6 Duarte Coelho, Francisco Pereira Coutinho, o célebre João de Barros, Aires da Cunha e muitos outros. Também o primeiro bispo do Brasil, Dom Pero Femandes Sardinha, foi vigário-geral de Goa antes de chegar à Bahia, em 1552.

Digno de destaque é o caso de Duarte Coelho, donatário da capitania de Pernambuco e fundador da cidade de Olinda, o qual em 1517 estava em Cantão, dos primeiros portugueses que pisaram no solo da China, mais tarde prestou serviços na Costa da Mina e na escolta das naus que retomavam da Índia e foi embaixador em França antes de vir, em 1534, tomar possessão de suas terras no Brasil. Mais de trinta anos após suas andanças pela China, seu nome era ainda ali lembrado, como o comprova este trecho de uma carta de novembro de 1555 remetida de Macau por Fernão Mendes Pinto:

Quando ueo o dia de São Johão vinte e quatro de yunho nos nos partimos pa a china onde neste ca minho auia q escreuer do q uimos e do q pasamos onde fomos a hua Ilha q se chama pulo champalo onde o pe. dise missa iunto de hua penedia onde estaua hua crus cauada na pedra e huas letras q dizião q auia trinta e dous annos serem feitas, e segdo o dito de algus escreveuas hu duarte coelho q esta no brazil.7


CHINESES ENTRADOS NO BRASIL 1814-1842

Fonte: LEITE, José Roberto Teixeira. Chineses entrados no Brasil 1814-1842. In: _____. A China no Brasil: influências, marcas, ecos e sobrevivências chinesas na sociedade e na arte brasileiras. Campinas, SP: Ed. da Unicamp, 1999. p. 269-275.
O presente levantamento foi realizado nos quatro volumes do Registro dos Estrangeiros publicados a partir de 1960 pelo Arquivo Nacional (v. 1: 1808-1822; 2: 1823-1830; 3: 1831-1839;4: 1840-1842). O Arquivo Nacional não possui documentos desse tipo após 1842.

Convém lembrar que, como está escrito no v. 1, "as declarações não são sempre completas e muitas vezes registram-se pessoas apenas de passagem pelo Rio de Janeiro". Na verdade, a data do registro não significa necessariamente a entrada no Brasil, pois muitos estrangeiros só foram registrados depois de anos de residência no país, enquanto outros, aqui radicados, não chegariam nunca a sê-lo.

Os chineses são portadores de nomes cristãos, e só quatro dentre eles conservam seus nomes nacionais - justamente os quatro primeiros registrados em 1814. É curioso também notar como - ao contrário do que ocorre com a grande maioria de estrangeiros de outras nacionalidades, cujos nomes são sempre acompanhados, no Registro, pelo da profissão -, um único chinês tem o seu seguido pelo de sua atividade: José Felipe Pereira, negociante. A maioria só depois da chegada obteria licença para mascatear.
O momento de maior ingresso de chineses dá-se, de acordo com o Registro, em 1825-1826; e após 1829-1830 decresce sensivelmente o número de registrados.


......................Rio de Janro. aos 6 de Septembro de 1819.
(Seguem-se as assinaturas de 51 chineses, com os seus nomes nacionais acompanhados dos
correspondentes portugueses) .
Não se tem notícia, até o presente momento, se dom João VI acatou ou não a pretensão
dos chineses, coisa que futuras pesquisas poderão, quem sabe, esclarecer.
VOLUME 1 (1808-1822)
LlANG Chou
MING Huang
CHIAN Chou
TSAI Huang
10.9.1814, provenientes de Caravelas
Col. 370, Livro 1, fls. 178v
PEREIRA, Joaquim
2.3.1821, participou de desordem...............continúa......


Duarte Coelho Pereira
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Duarte Coelho foi o primeiro donatário da Capitania Hereditária de Pernambuco, e fundador de Olinda. Nasceu em Miragaia, talvez em 1485, e morreu em Portugal em 7 de agosto de 1554. Foi fidalgo, militar e administrador.
Era filho bastardo na antiga família dos Coelhos, da nobreza agrária do Entre-Douro e Minho. Sem ter um lar organizado, teria sido criado por uma tia materna que era prioresa do Mosteiro de Vila Nova de Gaia. Seu pai era Gonçalo Coelho, escrivão da Fazenda Real e comandante da expedição portuguesa que partiu para o Brasil em 1503, na qual Duarte o acompanhou. Sua mãe era Catarina Ana Duarte, uma plebéia. Em 1506, seguiu para a Índia na armada de D. Fernando Coutinho. Entre 1516 e 1517 foi embaixador no Sião e visitou a China; retornou a Portugal em 1527. Em 1531 foi de novo enviado à Índia. Em 1532, recebeu o comando da frota encarregada de afastar os franceses do litoral brasileiro. Pelos seus serviços ele recebeu, em 10 de março de 1534, a doação de 60 léguas de costa no Brasil, nos actuais estados de Pernambuco e Alagoas que formavam a maior das capitanias hereditárias, a Capitania de Pernambuco, ou Nova Lusitânia.[carece de fontes?]

jueves, 23 de octubre de 2008

Mvet idífono con apariencia de cordófono


Mvet
A pesar de su apariencia de cordófono, el mvet es un idiófono, ya que sus cuerdas se separan directamente de la caña que sirve de soporte, sin llegar a independizarlas totalmente del cuerpo principal del instrumento. El proceso de fabricación del mvet es de una gran delicadeza, ya que una vez cortadas varias estrías a lo largo del tubo, se separan de éste introduciendo un puente que las tensa. Al efectuar esta operación la caña se arquea. Para facilitar esta deformación se rebaja longitudinalmente el grosor de la misma en la parte posterior. Una calabaza bajo el puente y dos en los extremos ayudan a la resonancia del instrumento. Con frecuencia se colocan plumas en los términos de la caña como ornamentación. El mvet moderno, que mide alrededor de los 110 centímetros de largo, tiende a llevar cuerdas metálicas.
Los paises en los que se encuentra el mvet son: Camerún, Gabón, Guinea Ecuatorial, República del Congo y República Centroafricana.

DVD "O Arco"


Um velho pescador vive no meio do mar com uma garota . O velho pescador com esperanças de que cumpre 17 anos a se casar. Enquanto isso, prepara o dote, protege contra os homens que vêm para pescar com o seu barco e tentam propasarse com ela. Sua única forma de proteger-se com o arco, um arco que também é utilizado para prever o futuro e como um instrumento musical. Um bom dia, um grupo de pescadores desconhecido entra no barco, entre eles um jovem universitário. O menino ea menina se apaixonar. O velho pescador sabe que o seu sonho chegou ao fim.


http://www.zonadvd.com/modules.php?name=News&file=article&sid=5574

miércoles, 22 de octubre de 2008

La aculturación y mestizaje interesados en Mozambique


Foto:Kalaripayatu-India

Nota del pesquisador:Alrededor de 1600, Portugal comenzó a enviar colonos a Mozambique, muchos de origen indio (Kalaripayatu), que querían establecerse en aquel territorio. Esos colonos, muchas veces se casaban con las hijas de jefes locales y establecían linajes que, gracias al comercio y la agricultura, se volvían poderosos.




Alguna citas interesantes:
.............Os primeiros portugueses que, como espingardeiros, lutavam nos exércitos monomotapas, receberam esses monganos, mas procuraram garantir-se também com o título real do rei português, que lhes deu, então, não a gente, mas a terra em enfiteuse. Portanto, eles eram senhores da terra por uma doação real portuguesa, mas senhores da gente, do mongano, por uma doação africana do rei Xona do Monomotapo.
Na enfiteuse, o prazo era dado por três vidas, mas quem, como prêmio, recebesse um prazo, não podia fazer um herdeiro, tinha de fazer uma herdeira, e essa herdeira, para ficar com a concessão, tinha de casar com um português. Era uma maneira de garantir a ocupação da terra pelos portugueses, através do casamento, que trazia um grande dote. Habitualmente, o primeiro enfiteuta, que era um homem, chegava a Moçambique sem mulher e desposava uma nativa. Sua filha mulata talvez se unisse a um reinol, ainda que soldado ou degredado, um matrimônio de conveniência para ambos, a garantir para ela a posse do latifúndio, e para ele, a riqueza atrás da qual todos corriam .

...................A partir de algum momento na segunda metade do século XVII, os reinóis foram ficando raros. Desmanchava-se o sonho português de povoar a Zambézia com brancos, sonho a cujo serviço a Coroa criara os prazos. Era de Goa que vinham para Moçambique os funcionários menores, a tropa e os cobiçosos da fortuna. Como entre eles os brancos eram poucos, as herdeiras passaram a casar com os índios portugueses - que tinham a nacionalidade portuguesa, com canaris, quer dizer, indianos de Goa, que tinham a nacionalidade portuguesa - e finalmente, com mulatos. http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=4277&sid=531&tpl=printerview

Otra cita:Desde o século XVII, os portugueses comerciavam com o reino do Monomotapa, onde havia imensas minas de ouro. O tráfico da Zambézia, assim como o de Sofala e Inhambane, era feito quase exclusivamente por cristãos indianos e a defesa da ilha de Moçambique os
Sipais (44) vindos da India(45) e a outros naturais do país.
http://www.macua.org/gonzaga/gonzaga3.3.html

Os Cipaios desertores en Timor y mercenarios en las guerras tribais em Timor


Geoffrey C. Gunn em “Timor Loro Sae 500 anos” ed. Livros do Oriente, 1999 afirma (pp. 16-17, 176-189:




Em 1861,a 10 de Junho o Governador declarou o estado-de-emergência em Díli e distribuiu armas aos cidadãos enquanto preparava a defesa da cidade. A situação era tão grave que até mesmo o capitão China foi convocado para “armar todos os chineses, seus filhos e os escravos”. O Governador podia contar também com o apoio de 40 “fundus”, ou soldados indianos, exilados em Timor em consequência da sua deserção das Forças Armadas britânicas depois da Revolta dos Cipaios em 1857. Embora Castro tenha tomado a precaução de pedir reforços a Goa, em tropas e mantimentos, sabia que estes demorariam a chegar


De 1911 a 1917 foi introduzida uma nova taxa sobre a produção de copra. A introdução destas medidas, em especial a utilização de trabalho escravo, criou um grande ressentimento entre os timorenses. Houve reinos que se uniram sob a liderança dum “Liurai” do distrito de Manufai (Same) chamado Dom Boaventura. A rebelião durou dezasseis anos culminando numa revolta que abarcou toda a colónia durante dois anos, de 1910 a 1912. Os portugueses foram forçados a trazer tropas de Moçambique e uma lancha canhoneira de Macau. As forças de Dom Boaventura foram destroçadas em Agosto de 1912. Um jornal australiano, o “Angus”, de Melbourne, escrevia que mais de três mil timorenses foram mortos e quatro mil capturados.´

Kalungas,conexión Indo-Áfricana en Brasil

Segundo Sweet 9 muitas sociedades da costa central africana acreditavam que os europeus levavam os africanos escravizados para “comê-los”, e aproveitar suas “partes”, transformando-os em produtos que seriam retornados ao comércio na África. Acreditavam
que o óleo comestível era obtido da gordura dos corpos africanos, os vinhos vermelhos eram o sangue, os queijos europeus eram os cérebros de suas vítimas. A pólvora era as cinzas dos ossos dos africanos escravizados que eram queimados pelos seus algozes. Este
entendimento era embasado na cosmogonia das sociedades da costa central africana, em que Kalunga 10, era a travessia do mundo real para o mundo espiritual; assim, transpora Kalunga, em navios negreiros, representava uma morte prematura, nas mãos dos
“feiticeiros brancos” (os europeus), que se alimentavam dos corpos negros na terra dos mortos, as Américas. Para os bacongos, a cor branca simbolizava a morte, os homens eram pretos, os espíritos, brancos. Como resultado desta crença, do tráfico de africanos escravizados e da associação do oceano com a Kalunga, foi fácil para os bacongos identificar a terra dos brancos com a dos mortos
http://www.acoalfaplp.net/0001acoalfaplp/0001acoalfaplp_textos/cultgepalops/cpalops_amagiadofeitico_gliciacaldas.pdf
Livro da antropóloga Mari Biocchi “Kalunga, o Povo da Terra” é uma aula sobre a comunidade goiana. Por Thereza Dantas A antropóloga Mari Baiocchi é a autora e responsável por um livro em que pesa quase 200 anos de história. “Meu trabalho de observação analisa o processo, a dinâmica das mudanças da cultura Kalunga.”, diz a autora. E ela observou essa dinâmica durante os 24 anos em que trabalhou na região norte do estado de Goiás, fronteira com o estado de Tocantins, pesquisando hábitos como a língua, os festejos, a comida, a forma de viver de uma comunidade remanescente de escravos.O livro “Kalunga, o Povo da Terra” é o resultado de um minucioso trabalho de pesquisa. No livro, Baiocchi explica que a palavra kalunga ou calunga, as duas grafias estão corretas, tem origem banto dos africanos angolanos, congos e moçambiques que foram trazidos para o Brasil. Calunga pode ser uma boneca de madeira que os moradores de comunidades do rio Lui, na África, fabricavam ou pode ser também uma palavra mágica, uma divindade do culto banto.
Serviço:Kalunga, Povo da Terra da antropóloga
Mari Biocchi
Preço por livro: 60 reais
Editora da Universidade Federal de Goiás - CegrafFone: 62 – 3521-1107 e Fax: 62-3521-1814e-mail:
editora@cegraf.ufg.br

Lungungo a Kora?


Chamberlain en la obra: Views and Costumes of the City and Neighbourhood of Rio de Janeiro, Brazil, from Drawings taken by Lieutenant Chamberlain, Royal Artillery, During the Years 1819 and 1820, with Descriptive Explanation, London:Printed for Thomas M'Lean, No. 26 Haymarket,by Howlette and Brimmer, Columbian Press, No. 10, Frith Street, Soho Square1822 es el primer autor que sabemos realiza una a imagen de lo que dice se llama la marimba lungungo denominado por otros uruncongo y otros nombres, lo que suele llamarse el Berimbau y asociada con la capoeira.


Obsevación:Véase el detalle de la imágen. La bara del arco musical entra en el cuerpo del resonador. En mi opinión este instrumento puede ser un Kora.

Kalungas ,conexión Indo-Africana en Brasil



Kalunga, o que na língua banto também significa lugar sagrado, de proteção.
Existem musicas antigas de Capoeira, inclusive de Bimba, que fazem alusões ao Kalungas em Salvador.

Los Kalungas son descendientes de esclavos que vivían en asentamientos remotos en el noreste de Estado de Goiás, Brasil. La mayoría de los 4000 Kalungas, que son de raza mixta, negro y nativo de la India, viven en muy malas condiciones en cerca de la ciudad de Cavalcante, Goiás.
Construída pela comunicação oral, a história do quilombo Kalunga ainda guarda segredos. Para entendê-la é preciso voltar no tempo, quando no Brasil não havia estradas, nem liberdade. “O meu avô era kalunga. Esse era kalunga mesmo, daqueles que vinha lá de cima, pra fugir dos patrão, não era?”, conta Dona Joana Torres, de 109 anos, moradora da comunidade Engenho II.
Eram meados de 1700 quando os Senhores Bartolomeu Bueno e João Leite da Silva iniciaram a colonização na região de Goiás (que foi sendo chamada de “minas dos Goyases” – nome de um povo indígena que vivia naquela região, onde havia muito ouro) provocando um processo de povoamento. As populações nativas entre outras, foram escravizadas, destruídas ou conseguiram fugir e procurar novo habitat.
Irmãs Juliana e Daniela (comunidade Engenho) fiando o algodão com o fuso. Foto: Leonardo Boloni.
É PRETO É PRETO É PRETO
É preto é preto é preto
É calunga
Berimbau é preto e calunga
É preto é preto é preto é calunga
O atabaque é preto é calunga
É preto é preto é preto é calunga
O pandeiro é preto é calunga
É preto é preto é preto é calunga
Bateria é preto é calunga


Griots and Musical Instruments, Sierra Leone, early 1820s

Caption, Jelleman of Soolimana (left); Jelleman of Kooranko (right). on right (kooranko) depicts a "griot or minstrel," shown with "a sort of fiddle, the body of which was formed of a calabash, in which two small holes were cut to give it a tone; it had only one string, composed of many twisted horse-hairs, and although he could only bring from it four notes, yet he contrived to vary them so as to produce a pleasing harmony..." (p.148). The author travelled in Sierra Leone in the early 1820s.

Musicians, Kingdom of Kongo, 1670s

GRABADO:Muestra tres músicos tocando diversos instrumentos, incluido un "Marimba" (o balafón) y un laúd-como instrumento de cuerda con una base de calabaza. Cavazzi Antonio (n. 1621) fue un sacerdote italiano que desde 1654 a 1667 se sumó a la misión de capuchinos en lo que hoy es el norte de Angola, después de una visita a Europa, regresó a Angola, en particular el Reino del Kongo, donde permaneció desde 1672 a 1677. Murió en Génova en 1678. Cavazzi hizo esta y otras acuarelas, los originales se encuentran en su manuscrito, que se encuentra en una colección privada en Módena, Italia (véase también "Cavazzi" para otras imágenes en este sitio web). Los dibujos de Cavazzi deben ser de los primeros testimonios en bocetos conocidos de la vida africana por un europeo, ya que pueden ser contrastadas, por ejemplo, con las fantasticas representaciones que se encuentran en Dapper o por los hermanos De Bry (véase, "Dapper" y "De Bry" en la este sitio web

Danzas Africanas en Cuba -1847

Este esquema de Clausura del duodécimo Festival de Día, o "Día de los Reyes, como se le llama en La Habana" fue tomada por un Inglés visitante de La Habana el 6 de enero de 1847, "Representa una costumbre anual - un tipo de Saturnalia - permitido por las autoridades a los esclavos negros lo que ellos llaman 'Nación', o la nación - es decir, los nacidos en África... " (p. 148). Nota, instrumentos musicales y elaboración de trajes, en representación de los diferentes grupos étnicos. Para relacionarlos con una ilustración de este festival, véase la imagen Álbum-8 en este sitio web. Para obtener más información sobre La Habana , festival de "El Dia de Reyes" , véase Daniel E. Walker: la Esclavitud y resistencia cultural en La Habana y Nueva Orleans (Univ. of Minnesota Press, 2004).

martes, 21 de octubre de 2008

A PARTILHA DA ÁFRICA E DA ÁSIA


Grabado::Sipaios de Bengala que se rebeleram em 1857 contra as práticas de exploração da Companhia das Índias Orientais



Articulo:Paulo h.Matos de Jesús, em 4 July 2008
India:
Em 1857, estourou a revolta dos sipaios, http://pt.wikipedia.org/wiki/Revolta_dos_sipais última tentativa de resis-tência à conquista britânica, dura-mente reprimida pelo exército colonialista. Em 1876, a rainha Vitória, da Inglaterra, foi coroada imperatriz da Índia. O domínio britânico na Índia permaneceu inabalável até 1919.
China:Em 1851, estourava na China uma grande revolta popular, liderada pelo movimento Taiping, “a grande paz”. Essa revolta só foi debelada em 1864. Mas sua herança não se perdeu e, em 1901, outro movimento estourava na China: era a Revolta dos Boxers, O Levante, Rebelião ou Guerra dos Boxers (1899-1900)http://pt.wikipedia.org/wiki/Levante_dos_boxers - chamado também de Movimento Yijetuan - foi um movimento popular antiocidental e anticristão na China.assim conhecida porque seus integrantes utilizavam-se das artes marciais chinesas ,boxe chinês (Kung Fu), para atacar os europeus. Também foi duramente reprimida.



Africa:Em 1867, foram descobertas as jazidas de diamantes do Transvaal. Logo depois, importantes reservas de cobre foram encontradas no território da futura Rodésia. Iniciou-se então a partilha do território africano. Em troca de álcool ou algumas garrafas de gim, os chefes ou reis, induzidos pelos exploradores, cediam todo o seu território às sociedades anônimas.Atrás das companhias, vinha o governo, organizando a infra-estrutura para a exploração da colônia, preservando os direitos de exploração do território da concorrência estrangeira e submetido os nativos “rebeldes”. Assim, em menos de 20 anos, todo o território ao sul do Saara foi submetido ao colonialismo europeu.



A partilha:A França foi um dos primeiros países a conquistar colônias na África. Em 1830, a Argélia foi ocupada com o auxilio da legião estrangeira, corpo expedicionário criado pelo governo francês e composto por criminosos, desertares, imigrados políticos e aventureiros. Em 1844, o Marrocos foi parcialmente subme-tido ao controle francês e, em 1854, foi a vez do Senegal. Partin-do desses pontos, a França avan-çou para o interior do continente, conquistando a Guiné, o Gabão, uma parte dos territórios do Congo e do Sudão. Em 1910, esses territórios formavam a África Ocidental Francesa.Na mesma época, Madagascar e a Tunísia foram incorporados ao império colonial francês, apesar da disputa com a Itália pela Tunísia.



http://cafehistoria.ning.com/profiles/blog/show?id=1980410%3ABlogPost%3A50813

Segunda Revisión Organigrama Flujo "Rastro de la Capoeira"


Se ha añadido en Rojo ,Cuba ,Soldados Cipaios y Soldados desde Brasil a Mozambique , Esclavos desde Mozambique a Reunión.

Cipaios(Sipais) convivieron con Brasileños(Brasil aún Colonia) en Mozambique no siglo XVIIII



FOTO:Agrupamento de sipaios indígenas(Moçambique), e seu comandante europeu, no período colonial.Crédito: Parte de uma foto, autor desconhecido, propriedade de Prof. Henrique Martins.

Em 1760, a guarnição foi elevada para 10 companhias e no ano seguinte para 11.Os soldados chegavam principalmente de Portugal, de Goa e, na segunda metade da centúria, do Brasil, na sua maioria, como degredados. Contudo, os reforços enviados para Moçambique eram, em geral, diminutos e, mesmo procedendo ao recrutamento local, raramente o regimento estava completo.No século XVIII, os portugueses deparavam com dificuldades crescentes para preencher o regimento de infantaria de Moçambique. Não só o Brasil atraía a maior parte dos que saíam de Portugal, como a elevada mortalidade verificada na costa oriental africana contradizia qualquer esforço de completar o exército com reinóis. Desenvolvendo um discurso sobre a inadequação dos soldados europeus ao meio moçambicano, durante a segunda
metade da centúria, a administração da colónia tentou encontrar alternativas no quadro do Índico. As soluções ensaiadas centraram-se, numa primeira fase, no recurso aos cipaios (Sipais) importados da Índia para conduzirem, posteriormente, ao recrutamento para o exército regular de soldados naturais da colónia, nomeadamente dos patrícios, nos Rios de Sena, e dos macuas
e suaílis, no litoral da ilha de Moçambique. Esse processo desembocaria no projecto, formulado na colónia e desenvolvido em Lisboa, de naturalizar o regimento de Moçambique, reservando o oficialato para os europeus. Não obstante, os inúmeros obstáculos levantados ao recrutamento local inviabilizariam a constituição de um regimento completamente preenchido
com gente da colónia. Integrando um longo processo de trocas intercoloniais entre a Índia
e Moçambique
, a experiência de recrutamento de cipaios indianos, a que sucedeu a constituição de companhias de cipaios moçambicanos, reflectirse- ia em Moçambique não apenas em termos militares, como também lingüísticos. De facto, a designação de cipaios importada da Índia transitou para os soldados africanos, incorporando-se na terminologia marcial moçambicana. Primeiro, para identificar as companhias de naturais da colónia que integravam o exército regular português, como foi o caso da companhia de macuas e suaílis da Terra Firme. Progressivamente, essa denominação estendeu-se a quaisquer combatentes africanos. As descrições sobre os confrontos militares oitocentistas identificam os combatentes moçambicanos,
tanto os soldados regulares ao serviço do exército português como os que eram mobilizados pelos senhores dos prazos, como cipaios89. As denominações locais para os soldados moçambicanos, como “cafres de arco” e achikunda, foram progressivamente elididas pela nomenclatura indiana.

Sipais(Cipaios),soldados Hindúes, mercenarios dos exercitos coloniais Inglés,Francés e Portugués.


35 Sipais ou cipais – nome com que passaram a ser designados os antigos achicunda após a abolição da escravatura, conforme adiante se desenvolve. Aulete, Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa _ sipais, soldados indígenas da Índia, ao serviço dos ingleses. Soldados ao serviço da Companhia de Moçambique. F. pars. Sipahi.


Um episódio da ilustre casa de Ramires:Gonçalo Mendes Ramires abandonou a cadeira de deputado para ser prazeiro na Zambézia-Moçambique.Os sipais eram a sua tropa pessoal, a sua jagunçada, os xicundas, os escravos soldados, sempre de armas na mão. Membroa de uma escravaria privilegiada, não alterara a vida desses xicundas, três décadas antes da Abolição da Escravatura, como tampouco dela tomaram conhecimento os chamados bichos-de-corredor. Eram os escravos domésticos que, por consentimento, ou por não haver alternativa ou remédio, continuaram a vida de servidão na Casa-grande.


Os Sipais nas colônias portuguesas:
Portugal, nas suas possessões na Índia, e mais tarde no Estado Português da Índia, teve várias unidades de sipais de características semelhantes, que serviram nas forças armadas locais e nas várias colónias portuguesas, em particular em Moçambique[2].
Das presenças fora da Índia, o maior contingente de sipais foi estabelecido em Moçambique, passando o termo a designar nos anos vindouros, sob dominação portuguesa, uma força militar, mais vocacionada para o policiamento local e rural, que era comandada por um oficial europeu. As forças de sipais estiveram envolvidas na Guerra do Ultramar, incluindo no Massacre de Mueda.

lunes, 20 de octubre de 2008

Hindúes,Chinos,Malayos,Africanos, Musulmanes,aculturación en Madagascar









Podemos observar en los grabados sobre Madagascar una orquesta donde se observa un arco musical con resonador(Pavillon de Madagascar à l’Exposition universelle de 1900 à Paris,) y también un hombre asiatico en una revuelta contra los Franceses en Madagascar(25 ago. 1895).
En 1901 ,trabajaron en la contrucción del ferrocarril de Madagascar masones italianos,coolies chinos e Hindúes.(pag.172)

Atualmente, predomina entre os acadêmicos a hipótese de que, nos séculos próximos ao começo da era comum, houve uma transformação no grupo relacionado aos manyaan de Bornéu, que controlavam as principais rotas comerciais marítimas da faixa norte do oceano Índico à Índia. Este grupo, então, velejou até a costa leste da África, onde se misturou com os grupos de língua banto, antes de seguir até Madagáscar; outra opção é que estes grupos tenham navegado diretamente até lá. Entretanto, não há evidência de fixação de população de origem indonésia na costa leste da África ou de presença humana permanente em Madagáscar antes do século VIII
E.C. Ao lado destas dúvidas mais remotas, como foi mostrado acima, também o período da última migração indonésia (protomerina) continua sendo um problema não solucionado.
Por fim, é importante reconhecer que o momento em que os protomalgaxes saíram de suas terras e chegaram a Madagáscar, as rotas que seguiram e os motivos que os levaram a abandonar o local de origem e migrar permanecem desconhecidos. É possível apenas afirmar que a origem dos malgaxes tem ocupado a atenção dos estudiosos, mas que, apesar da extensão
das pesquisas recentes e do acúmulo de informações de diferentes ordens, estas migrações permanecem ainda como um enigma.

Os Sipais em Mozambique e outras Colonias


Os sipais http://pt.wikipedia.org/wiki/Sipai (ou cipais, ou sipaios, ou cipaios, do híndi shipahi, "soldado")[1] eram soldados indianos que serviam no exército da Companhia Britânica das Índias Orientais, sob as ordens de oficiais britânicos. As presidências de Bombaim, Madras e Bengala mantinham seus próprios exércitos - em 1857, contavam entre si cerca de 200 000 sipais, comparados aos cerca de 40 000 homens do exército britânico regular na Índia.
Em 1857, teve início um período prolongado de levantes armados e rebeliões na Índia setentrional e central contra a ocupação britânica daquela porção do subcontinente, com o nome de Revolta dos Sipais.

[editar] Os Sipais nas colônias portuguesas
Portugal, nas suas possessões na Índia, e mais tarde no Estado Português da Índia, teve várias unidades de sipais de características semelhantes, que serviram nas forças armadas locais e nas várias colónias portuguesas, em particular em Moçambique[2].
Das presenças fora da Índia, o maior contingente de sipais foi estabelecido em Moçambique, passando o termo a designar nos anos vindouros, sob dominação portuguesa, uma força militar, mais vocacionada para o policiamento local e rural, que era comandada por um oficial europeu. As forças de sipais estiveram envolvidas na Guerra do Ultramar, incluindo no Massacre de Mueda. (Mozambique,1960)



Berimbao.varias denominaciones

FOTO: Berimbau
Trabalho próprio
Author
Alexandre Cardoso

O berimbau (português brasileiro) ou berimbau de peito (português europeu) é um instrumento de corda usado tradicionalmente para fazer percussão na Capoeira, para marcar o ritmo da luta. No Brasil é ainda conhecido pelos seguintes nomes: urucungo, urucurgo, orucungo, oricungo, uricungo, rucungo, ricungo, berimbau metalizado, gobo, marimbau, bucumbumba, bucumbunga, gunga, macungo, matungo, mutungo, aricongo, arco musical e rucumbo. No sul de Moçambique, este instrumento tradicional tem o nome de xitende. Em Angola chamado hungu ou m'bolumbumba (Albano de Neves e Souza).
O berimbau é constituido de um arco feito de uma vara de madeira de comprimento aproximado de 1,20m e um fio de aço (arame) preso nas extremidades da vara. Em uma das extremidades do arco é fixada uma cabaça que funciona com caixa de ressonância. O tocador de berimbau ultiliza uma pedra ou moeda (dobrão), a vareta e o caxixi para produzir os sons do berimbau.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Berimbau_de_peito